Visitas 73906662 - Online 195

Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022

Política

08/05/2009 12:26:09

ROVER ABRE O JOGO EM ENTREVISTA EXCLUSIVA

Passando pelo período mais crítico desde que assumiu, o prefeito Zé Rover (PP) vive momentos de extrema tensão. Com o sistema de Saúde em franca decadência, ingerências no primeiro escalão, atritos entre Executivo e o Parlamento e os problemas do VEC, é visível no semblante do prefeito o desgaste do últimos dias.

 

No início da noite desta quinta-feira, exausto após mais um dia problemático, Zé Rover concedeu entrevista exclusiva a FOLHA DO SUL ON LINE, ocasião em que foram abordados os assuntos que movimentaram a política entre o final de semana e hoje. A reportagem foi gravada em vídeo de forma artesanal, e logo terá trechos disponibilizados no site.

 

O assunto que abriu a entrevista foi o novo episódio que alimentou a crise da saúde, com o pedido de exoneração e depois a meia-volta do secretário José Maria Weiber. Rover garante que conseguiu reverter a situação, e garante que o secretário terá todas as condições de exercer plenamente suas funções. O prefeito acredita que permanência de Weiber é fundamental pare conter a crise em andamento.

 

Zé Rover assume que o sistema está com graves problemas, e garante que em termos financeiros a situação também chegou ao limite. “A saúde consome metade do dinheiro que dispomos”, revela. O prefeito enumera outros problemas, mas promete uma “nova realidade em 30 dias. Peço aos vilhenenses este voto de confiança”.

 

Se a crise não arrefecer, Zé Rover não descarta a possibilidade de terceirizar o sistema, aos moldes do que foi feito por Heitor Tinti Batista no final dos anos 90, com a Pró-Saúde. Sem saber que a empresa está atuando novamente em Rondônia, no município de Ariquemes, Rover disse que vai entrar em conato com Confúcio Moura, prefeito daquela cidade. “Ele é médico, e tem experiência no assunto. A opção dele em terceirizar o sistema deve ser observada com atenção”, comentou.

 

Mesmo culpando a explosão da demanda do HR, que teria duplicado nos últimos meses, como principal causador dos problemas, o prefeito acaba assumindo que existem problemas de gerenciamento no setor. Ao relatar eventuais vantagens no caso de terceirização, Rover pondera que neste caso a questão do teto salarial aos médicos seria solucionada, assim como a racionalização dos gastos no HR.

 

Sobre o Vilhena Esporte Clube, Zé Rover confirma o óbvio: é ilegal investir recursos públicos no esporte profissional. Assim, ele garante o convênio entre Município e o clube está fora de cogitação a partir de agora. “Vou ajudar o Vilhena auxiliando na captação de doações, assim como incentivando o público a comparecer aos jogos aqui. Temos que levantar o dinheiro para pagar os salários de abril, e faremos isto logo. Não é justo deixar os atletas e comissão técnica sem receber, principalmente diante da brilhante campanha do time este ano”, ressalta.

 

Quanto ao Observatório Social, o prefeito elogia a iniciativa, e garante que sua administração está de portas abertas para o acompanhamento de todas as ações. “Eu e meus assessores jamais criaremos obstáculos para a atuação do Observatório”, assegura. Ele também disse que toda a ajuda é bem-vinda, e espera mais participação da sociedade na administração.

 

Finalizando, Rover comentou que os vereadores de Vilhena devem pensar e agir de forma mais positiva e propositiva, ao invés de manter posicionamentos radicais. “Temos que assumir a responsabilidade que a população de Vilhena nos outorgou em outubro passado, e trabalhar pelo bem comum. Picuinhas e intransigência não ajudam em nada”, afirmou.





Fonte: FS
Autor: QUEVEDO

Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.