Visitas 9715874 - Online 304

Terça-feira, 18 de Dezembro de 2018

Geral

09/10/2018 15:21:00

Acordo entre AGU e TSE pode obrigar ex-prefeita a pagar despesas de eleição suplementar em Vilhena


À AGU caberá mover as ações de ressarcimento na Justiça

A Advocacia-Geral da União (AGU) informou no último domingo (07) que os candidatos cassados poderão ser obrigados a devolver aos cofres públicos o dinheiro gasto com eleições suplementares. A medida é resultado de um acordo assinado entre a AGU e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em agosto deste ano.

As eleições adicionais são realizadas quando o vencedor é declarado inelegível ou quando acaba cassado por ter cometido algum ato ilícito durante a campanha, como compra de votos. Levantamento feito pela AGU mostra que R$ 82,3 milhões podem ser cobrados hoje por gastos que a Justiça Eleitoral teve desde 2007 com a realização de 405 eleições suplementares.

As ações são movidas pela AGU para que sejam devolvidas ao erário as despesas com a realização de novas eleições, quando o vencedor do pleito original acaba cassado por ter cometido crimes eleitorais durante a campanha. De acordo com a AGU, a cobrança pode ser ampliada para os casos de candidaturas sustentadas por liminares.

O acordo prevê que o TSE informe à AGU sempre que a Justiça Eleitoral realizar uma eleição suplementar, inclusive repassando dados detalhados sobre os custos dos procedimentos. Já à AGU caberá mover as ações de ressarcimento na Justiça e informar ao TSE sobre o andamento dos processos.

A princípio, o acordo tem vigência de cinco anos, podendo ser prorrogado Em nota, a advogada-geral da União, Grace Mendonça, informou que o objetivo é evitar os prejuízos aos cofres públicos na hipótese de realização de eleições suplementares. "Esse momento tão nobre para o Estado Democrático de Direito, em que a população escolhe seus representantes, deve transcorrer com absoluto respeito aos parâmetros constitucionais e legais”.

EM VILHENA
A medida atinge diretamente a ex-prefeita Rosani Donadon (MDB), que no ano passado teve seu mandato cassado e participou da nova disputa, sendo vencida pelo atual prefeito Eduardo Japonês (PV), a quem ela havia derrotado no pleito municipal anterior, em 2016. Ainda não se sabe como será feita a cobrança em relação a ela e qual seria o valor a ser ressarcido.




Fonte: Folha do Sul
Autor: Da redação

Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.