Visitas 9717152 - Online 278

Terça-feira, 18 de Dezembro de 2018

Geral

05/12/2018 20:21:00

Começa em Colorado o julgamento dos acusados de chacina em Cabixi, que negam participação no crime


No primeiro dia são ouvidas testemunhas e os denunciados 

Começou hoje, quarta-feira, 05 de dezembro, o julgamento dos acusados de envolvimento na chacina que vitimou 5 jovens no dia 02 de abril do ano passado em Cabixi. O Júri, que acontece no Fórum Criminal Juiz Joel Quaresma de Moura, em Colorado do Oeste, teve início às 8:30h e tem previsão para encerrar amanhã. Durante o dia, todo foram colhidos depoimentos de testemunhas e dos denunciados, José Elismar Moura e Yuri Felipe de Lima. Ambos os acusados negaram participação no massacre. Relembre aqui.

O julgamento decorre de uma complexa apuração realizada pela Polícia Civil da região que, inicialmente, chegou a ter como suspeitos do crime integrantes da Polícia Militar, de acordo com o que se extrai do inquérito. Contudo, as investigações ganharam novos rumos após uma abordagem da própria PM, realizada no município de Vilhena, cerca de dois meses após o crime. 

Yuri e José Elismar foram flagrados portando várias armas de fogo dentro de um veículo e, em seguida, foram encaminhados ao presídio Cone Sul.  Dias depois, a perícia da Polícia Civil detectou que uma das armas teria sido usada na chacina, sendo que uma das cápsulas era compatível com uma pistola .40, utilizada para matar Larissa Massaroli, uma das vítimas. 

O Ministério Público requer a condenação dos denunciados pelo crime de homicídio qualificado por impossibilidade de defesa das vítimas e motivo torpe, em virtude de ter sido motivado por dívida de drogas. O representante Ministério Público busca ainda a soma das penas, conforme o número de vítimas (05), sob argumento de concurso material. 

A defesa de Yuri está sob responsabilidade do criminalista José Francisco Cândido, de Vilhena, que trabalha com a tese de negativa de autoria. Conforme explica o advogado, não há qualquer elemento probatório que vincule seu cliente ao crime que ocorreu em Cabixi. “Entre outras demonstrações de que o Yuri não participou, comprovadamente ele estava em Vilhena no dia do crime, tanto que participou do jogo entre o Barcelona e o VEC. Além disso, ele nunca esteve na cidade de Cabixi”, argumentou. 

O advogado de defesa de José Elismar também, Léliton Luciano Gomes da Costa, de Pimenta Bueno, também sustenta a tese de negativa de autoria do crime de homicídio imputado ao acusado. “Em momento algum, José Elismar esteve nesse dia em Cabixi. Uma coisa que pode atestar isso é a quebra de sigilo telefônico”, comentou. 

Mais detalhes sobre o desfecho do julgamento será publicado amanhã, assim que o Tribunal do Júri decidir pela condenação ou absolvição dos acusados. 




Fonte: Folha do Sul
Autor: Da redação

Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.