Visitas 6843860 - Online 228

Domingo, 23 de Setembro de 2018

Política

13/09/2018 18:34:00

TRE retoma julgamento e indefere candidatura de Melki; ex-prefeito mantém nome na disputa e anuncia recurso ao TSE


Placar na Corte foi unânime, mas ex-prefeito espera reverter decisão em Brasília

Encerrado ontem, quando o placar estava em 3 a 0 contra ele, o ex-prefeito de Vilhena, Melki Donadon, teve indeferida, pelo TRE de Rondônia, sua candidatura a deputado federal no pleito deste ano. O julgamento acaba de ser encerrado com um placar unânime desfavorável ao pedetista. Donadon anunciou que não vai escolher substituto para sua vaga e permanece na disputa.

Ontem, mesmo livrando Melki de 6 das 7 causas de inelegibilidade, o relator da ação, Clênio Amorim Corrêa, votou para que o vilhenense fosse barrado no pleito deste ano, alegando crime eleitoral cometido por ele, julgado em primeira instância e confirmado pelo próprio TRE de Rondônia.

O voto do relator foi parcialmente acompanhado pelos seguintes membros do TRE: Paulo Rogério José, Ilisir Bueno Rodrigues, Rosemeire Conceição dos Santos, Paulo Kiyochi Mori e Flávio Fraga e Silva. O presidente, desembargador Sansão Saldanha, não votou, por impedimento regimental.

TRÊ CAUSAS
A juíza Rosemeire Conceição dos Santos, a mesma que pediu vistas ontem e suspendeu o julgamento, abriu divergência em relação ao voto do relator e foi acompanhada por três colegas quanto ao número de inelegibilidades atribuídas a Donadon. Por 4 votos a 2, foram consideradas três as condenações que barram o vilhenense.

SEM DINHEIRO
Na decisão do TRE, que será publicada amanhã, Melki fica impedido de usar recursos do fundo partidário e de manter sua campanha nas ruas, no rádio e na TV.

O OUTRO LADO
Ao saber do resultado desfavorável, Melki disse ao FOLHA DO SUL ON LINE irá recorrer da decisão junto ao TSE para manter sua campanha. Ele lembrou que, hoje, em Brasília, o senador Acir Gurgacz, que lidera coligação da qual ele faz parte, reverteu o indeferimento do mesmo TRE que o havia barrado.

Melki voltou a explicar que já está recorrendo da condenação que motivou seu indeferimento: a falta de uma letra em seu nome na campanha para prefeito de Vilhena, em 2012. Ele disse que não participou, autorizou ou sequer soube do que considera uma falha de digitação.

Donadon garante que manterá sua candidatura e tomará posse se for eleito: “O Cone Sul está órfão de deputado federal, por isso, conto com o eleitorado da região e, se for eleito, provarei minha inocência nos tribunais, ficando livre para cumprir meu mandato a partir de 2019”.




Fonte: Folha do Sul
Autor: Da redação

Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.