Visitas 2593920 - Online 264

Quarta-feira, 20 de Junho de 2018

Educação

12/06/2018 12:05:00

Vilhena: crianças são colocadas para limpar salas de aula em escola estadual; mãe se irrita e diretora explica


Única zeladora do Paulo Freire entrou de férias e Seduc não mandou substituta

A mãe de uma aluna da escola Paulo Freire, da rede estadual em Vilhena, entrou em contato com o FOLHA DO SUL ON LINE para se queixar da direção do estabelecimento, que está colocando crianças para limpar as salas de aula a fim de suprir as férias da única zeladora em atividade no local.

“A cada dia, algumas crianças limpam a sala de aula. Isso é um absurdo, 
 pois mando minha filha para escola é para aprender e não para ficar limpando. Se sabia que a zeladora iria sair de férias, por que não solicitaram outra para os órgãos responsáveis?”, questionou a mulher, que preferiu não se identificar, ao dizer que todas as semanas os estudantes perdem 25 minutos de aprendizado na faxina. 

Em contato com a diretora do colégio, Luzimar Pereira, ela explicou que nenhum aluno é obrigado a participar da limpeza. E contou que, desde 2015, o Paulo Freire implantou o projeto “Cuidando da Escola”, que incentiva as crianças a ajudarem na manutenção do local.

Luzimar também argumentou que pediu à Seduc uma zeladora substituta para a que entraria de férias, mas não foi atendida. E disse que a limpeza feita pelas crianças não é um trabalho forçoso e nem obrigatório. “A mãe que fez esta denúncia certamente não participa das nossas reuniões, pois isso é discutido pela comunidade escolar. Todos nós ajudamos nesta atividade e não vemos nada de errado em ensinar as crianças a assumirem responsabilidades. Elas simplesmente ajudam a manter a escola na qual estudam”.


A diretora ainda acrescentou: “Todos nós trabalhamos para ter uma escola melhor, mais limpa. Os alunos produzem muito lixo, pois arrancam folhas dos cadernos e são orientados a colocar nas lixeiras de sua sala de aula ou nas demais espalhadas pelo pátio. Se cada um colocar o lixo produzido na lixeira, não tem sujeira. A escola é um espaço educativo e de formação cidadã. Se não ensinarmos às nossas crianças e aos nossos adolescentes que temos que ter responsabilidades, compromisso e respeito pelo trabalho do outro, que tipo de cidadão estamos formando? Gostaria que a mãe viesse até a escola para conhecer o nosso trabalho e se informar das decisões que tomamos. NOSSA GESTÃO É PARTICIPATIVA, tudo é discutido com o Conselho Escolar e com a Comunidade em reuniões pontuais. Estamos abertos ao diálogo e aceitamos ajuda e colaboração dos pais também em manter uma escola melhorada para os filhos deles”.




Fonte: Folha do Sul
Autor: Da redação

Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.