Visitas 21802792 - Online 219

Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

Meio Ambiente

17/09/2019 16:31:00

PF descobre advogados e topógrafos ajudando grileiros no desmatamento de parque e terra indígena, em RO


Ao todo, PF cumpre 20 mandados judiciais na manhã desta terça-feira em municípios do Estado

 
 A Polícia Federal (PF) deflagrou, na manhã desta terça-feira (17), uma operação para combater a grilagem e desmatamento dentro do Parque Nacional do Pacaás Novos e Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau, na região de Nova Mamoré, fronteira com a Bolívia.
 
Segundo a PF, a investigação descobriu que advogados e topógrafos estão ajudando grileiros na invasão e queimadas dentro das áreas de reservas florestais.
 
Ao todo, os agentes cumprem 20 mandados judiciais, sendo quatro de prisão preventiva, oito de busca e apreensão e oito de sequestro e indisponibilidade de bens.
 
Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal de Guajará-Mirim, e são cumpridos nas cidades Porto Velho, Buritis, Campo Novo de Rondônia e Nova Mamoré. Os nomes dos profissionais envolvidos na organização criminosa não foram divulgados pela PF, até a publicação da reportagem.
A operação Terra Prometida é feita em conjunto com o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) e Exército Brasileiro.
 
Além do desmatamento e invasão de terras em áreas da União, a operação visa combater queimadas e ameaças aos servidores públicos no Parque Nacional do Pacaás Novos e Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau.
 
COMO FUNCIONAVA O ESQUEMA?
Segundo a PF, o grupo de advogados e topógrafos utilizava um "discurso falso de regularização fundiária e a criação de associação de produtores rurais". Assim, líderes recrutavam pessoas para invadir e demarcar lotes no interior das reservas.
 
Em seguida, os investigados desmatavam e queimavam grande parte da vegetação nativa e depois erguiam um acampamento no local desmatado.

Durante a investigação, o grupo invasor ameaçou servidores públicos dos órgãos de fiscalização, como o ICMBio, e agentes públicos de segurança.

Os presos, após serem ouvidos na Superintendência da Polícia Federal em Rondônia, devem ser encaminhados a presídios estaduais e responderão pelos crimes de organização criminosa, ameaças, crimes ambientais e invasão de terras públicas.
 
 




Fonte: Reprodução
Autor: G1/Rondônia

Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.