Visitas 37885399 - Online 242

Terça-feira, 14 de Julho de 2020

Geral

24/06/2020 09:44:00

Diagnosticada com doença que provoca dores intensas, vilhenense precisa de cirurgia e irmã cria “vakinha” para arrecadar dinheiro

 
Maria Aparecida Lopes Silva é ministra da palavra na comunidade Nossa Senhora das Graças
 
Moradora de Vilhena há mais três dácadas, Maria Aparecida Lopes Silva, de 48 anos, que já convive com a diabetes que lhe causou amputação de um dedo da mão; recebeu este ano o diagnóstico de neuralgia do trigêmeo, distúrbio que provoca fortes dores na região da face, por onde passa o nervo trigêmeo, responsável pela sensibilidade tátil, térmica e dolorosa do rosto.
 
A reportagem conversou com Elenice Silva Borrher, irmã de Maria Aparecida, que criou uma vakinha virtual para tentar arrecadar o valor necessário para a cirurgia da irmã. De acordo com Elenice, Maria Aparecida não tem renda fixa. “Ela mora com a nossa mãe, cuida dela, e faz alguns bicos”, disse a irmã, revelando que Maria Aparecida, que é ministra da palavra a Comunidade Nossa Senhora das Graças, é muito religiosa.
 
Elenice disse que a irmã sente dores 24 horas por dia, e em alguns momentos tem picos mais intensos. Ela disse ainda que desde o diagnóstico foi tentado o tratamento medicamentoso, mas não surtiu o efeito esperado e a solução é mesmo a cirurgia.
 
Elenice revelou à reportagem que a cirurgia pode ser feita pelo SUS. Em Rondônia é realizada em Cacoal e Porto Velho, no entanto, devido a pandemia do Coronavírus, todas as cirurgias, incerto as emergenciais, estão suspensas.
 
Ela buscou então informações sobre a cirurgia na rede privada, e o valor mais em conta que  encontrou foi em Goiânia (GO), que fica em R$ 35 mil. “Nós não temos condições de pagar esse valor, por isso estamos vendendo rifa, feijoada e criamos a vakinha virtual para tentar chegarmos a esse valor”, explicou.
 
As doações podem ser feitas pelo http://vaka.me/1129638. Lá também tem um número telefônico para sanar dúvidas.
 
NEURALGIA DO TRIGÊMEO
O que é?
É um tipo de dor crânio-facialque afeta o nervo trigêneo e seus ramos. Este nervo, também chamado nervo craniano número V, ou V nervo craniano, é responsável pela sensibilidade da face e estruturas ao redor. A doença neuralgia do trigêmeo afeta mais frequentemente mulheres do que homens, e costuma aparecer em pessoas maiores de 40-50 anos.
 
Quais os sintomas?
O principal sintoma é a dor intensa, lancinante, em padrão de choques muito rápidos, mas incontáveis ao longo de horas e dias. No começo, os choques são mais espaçados e bem rápidos, progredindo ao longo dos dias para choques mais frequentes, seguidos de períodos com bastante dolorimento no local da dor.
Na maioria dos casos de neuralgia trigeminal, os pacientes acometidos referem fatores desencadeantes, que provocam o aparecimento dos choques, como comer, tocar a pele do local, escovar os dentes, mastigar, tocar a região da mandíbula, do maxilar, ou até mesmo falar.
 
Diagnóstico: Quais exames são necessários?
Sempre que possível deve ser feito um exame de neuroimagem no crânio, com enfoque específico na região da base do crânio, para observar se há alguma compressão do ramo do trigêmeo, quer seja por tumores, ou, mais comumente, por algum vaso, ou artéria, pulsando em cima do nervo. Este achado, da artéria comprimindo o nervo, é bastante frequente, e pode ser a causa da dor e também uma possibilidade de tratamento: determinados tipos de cirurgia que separam, descomprimem e deixam o nervo “solto”, podem melhorar bastante a sintomatologia dos pacientes. A seguir, os exames principais nestes casos:
– Exame neurológico: Passar com neurologista para uma avaliação detalhada.
– Tomografia do crânio: Costuma ser realizada se o paciente aparece com a dor intensa no Pronto-Socorro.
– Ressonância Magnética do Crânio: É o melhor exame para avaliar a região do gânglio do trigêmeo e onde ele emite seus ramos, para detectar alguma compressão local.
 
Tratamento
O tratamento de primeira linha, inicialmente, é baseado em medicações que atuam neste tipo de dor, chamada dor neuropática. Analgésicos comuns, como dipirona, antiinflamatórios, paracetamol, são água para a neuralgia trigeminal.
Vários medicamentos, como anticonvulsivantes, anti-neuropáticos, ou a combinação destes, são usados por neurologistas no combate à neuralgia trigeminal.
A cirurgia pode ser a saída para boa parte dos pacientes. Afinal, não é tão fácil controlar as dores da neuralgia trigeminal.
Fonte: Ineuro.com.br
 




Fonte: Folha do Sul
Autor: Rogério Perucci

Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.