Visitas 39540207 - Online 190

Sábado, 15 de Agosto de 2020

Meio Ambiente

01/05/2020 11:05:00

Toras em caminhão apreendido começam a brotar e expõem desperdício e prejuízos provocados por burocracia

 
Há anos se discute um meio de dar destinação legal a veículos confiscados
 
Um caminhão carregado de toras, há meses tomando sol e chuva em Vilhena, e com os troncos já começando a brotar, expõe um problema criticado por muitos, e que parece sem solução: que destino dar a cargas e veículos apreendidos em ações ilegais?
 
Além deste caminhão, outras centenas de veículos se amontoam nos pátios da PRF e da Ciretran durante anos, e às vezes décadas. Quando são levados a leilão, já viraram sucatas e são vendidos por preços irrisórios para ferros-velhos.
 
No caso do “toreiro”, estacionado junto com outro de mesmo modelo, um veículo de passeio se enferrujando e mais um caminhão-tanque, entre a Unisp e o MP, pouco se sabe sobre a sua origem.
 
O desperdício (já que muitos carros, picapes e carretas apreendidas poderiam ser reproveitados legalmente) decorre da burocracia: enquanto processos se arrastam na justiça, o bem confiscado não pode ser repassado.
 
A situação contrasta com outro tipo de apreensão: quando peixes são encontrados com pescadores ilegais, eles são imediatamente destinados a entidades filantrópicas, que os aproveitam no preparo de refeições.
 
Na maioria dos casos, principalmente quanto ao transporte ilegal de madeira, além da carga, o próprio caminhão é apreendido, mesmo que o crime ambiental tenha sido cometido por quem contratou o frete, e não pelo dono do veículo flagrado.
 
 
 




Fonte: Folha do Sul
Autor: Da redação

Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.