Visitas 70260039 - Online 225

Domingo, 05 de Dezembro de 2021

Saúde

17/11/2021 09:17:00

Após reportagem da FOLHA sobre morte de enfermeira, Hospital Regional de Vilhena emite nota e explica atendimento

 
Profissional de saúde de 39 anos havia atuado em Colorado do Oeste e Vilhena
 
Em nota enviada ao FOLHA DO SUL ON LINE, a direção do Hospital Regional de Vilhena se manifestou em relação a uma reportagem publicada ontem pelo site.
 
Com base em informações passadas por uma pessoa próxima à família da técnica em enfermagem Irani Gomes Arruda, de 39 anos, o site revelou que, mesmo com diagnóstico positivo de Covid-19, ela não foi internada.
 
Profissional de saúde que havia atuado na rede pública de Colorado do Oeste e Vilhena, Irani morava no distrito de Nova Conquista, onde faleceu, deixando viúvo e dois filhos (LEMBRE AQUI).
 
 
NOTA DE ESCLARECIMENTO
A direção clínica do Hospital Regional de Vilhena, responsável pelo Ambulatório Covid-19, lamenta o falecimento da paciente e ex-técnica de enfermagem Irani Arruda e estende sua solidariedade aos familiares, amigos e conhecidos.
 
Ao mesmo tempo, esclarece que a paciente foi atendida dia 13 de novembro, às 17h56, portanto uma paciente “pós-covid”, ou seja, que teve a contaminação pelo sars-cov-2 há mais de 15 dias e, portanto, estava sem o vírus no corpo, visto que a infecção dura no máximo 14 dias em pacientes sem sintomas.
 
Irani foi atendida por doutora que era amiga pessoal da paciente, tendo ambas inclusive trabalhado juntas. A queixa de Irani era de dor lombar, ardor ao urinar e um pouco de fraqueza. Estes sintomas são típicos de infecção de urina, que, de fato, foi constatada por exames de sangue. Ainda assim, foi solicitado exame de raio-x de tórax, mas não foi detectado nenhum sinal de complicação. A saturação do oxigênio no sangue estava em 99%, o que também indicava respiração adequada, bem como sinais vitais sem alterações. Foi feita prescrição de remédios para Irani tomar em casa e antibiótico para a infecção de urina, com retorno marcado para 48 horas a fim de fazer nova avaliação.
 
A equipe médica ressalta que é extremamente improvável que o óbito tenha sido causado por sequelas da covid-19, ou pelo próprio vírus, já que a paciente não apresentava nenhum sintoma da doença nem teve exames com resultados que apontassem os indicativos da doença.
 
Atenciosamente e agradecidos desde já,
Direção Clínica do Hospital Regional de Vilhena
 




Fonte: Folha do Sul
Autor: Da redação

Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.