Visitas 2538072 - Online 206

Terça-feira, 19 de Junho de 2018

Política

23/03/2010 09:53:20

GREVE NA EDUCAÇÃO: CASSOL RECEBE PROFESSORES

O governador Ivo Cassol (PP), atendendo pedido da secretária de Estado da Educação, Marli Cahulla, recebeu na noite de ontem (22), na Residência Oficial, uma comissão de professores que representava a categoria, para negociar o fim da greve.

Cassol, que concedeu reajuste salarial de 4,5% a todos os servidores de carreira do estado a partir do dia 1º de abril, havia retirado da Assembléia Legislativa o projeto de gratificação que vai de R$ 100,00 a R$ 200,00 conforme carga horária para professores em sala de aula.

 

A secretária, Marli Cahulla disse que apenas 25% da categoria estão em greve e não seria justo com os 75% dos professores que estão trabalhando normalmente serem penalizados também, por isso pediu ao governador que recebesse a comissão independente de sindicato e cores partidárias para conversar sobre o fim da paralisação.

 

Durante a reunião, o governador Ivo Cassol foi enfático em dizer que o Sintero não defende a categoria e sim cores partidárias, tenta culpar a sua administração para desviar o erro que cometeram os responsáveis pela PEC da transposição e falou do reajuste. “Eu administro com responsabilidade e só posso conceder reajuste salarial para os servidores dentro das possibilidades financeiras do estado”, justificou o governador Cassol.

 

Ivo Cassol explicou aos professores a real situação financeira do estado e disse que o Sintero havia pedido a incorporação de 33% ao salário o que foi feito e um reajuste de 4% para a categoria, documentos comprovam isso. “Se fosse viável vocês acham que eu não gostaria de ter dado um aumento maior para todos os servidores? Claro que sim, mas infelizmente só posso trabalhar com dados reais, se a PEC da transposição tivesse realmente saído do papel a história seria outra”, disse o governador.

 

INVESTIMENTOS

 

De acordo com dados da Secretaria de Estado da Administração (SEAD), só na área da educação, houve ganhos de 59%. Em 2003, eram 15.087 servidores na educação, que ganhavam em média R$ 906,82. Hoje, são 20.049 funcionários que recebem um salário médio de R$ 1.446,47. O total dos vencimentos chega a mais de 28 milhões de reais, com um aumento real de 10,47%. Ainda se tem a incorporação da Gratificação de Atividade Específica (GAE), que aumentou em 33% o vencimento básico dos servidores da educação e da saúde, além do cumprimento do Plano Bresser, que chegou a 2.943 servidores do estado.

 

“Ninguém pode negar que ouve investimento na educação e no educador, em 2003 eram pouco mais de mil e duzentos professores com pós-graduação, hoje são mais de seis mil, que representa uma gratificação de 20% sobre o salário. Através do Proacap professores leigos conseguiram se capacitar e também tiveram seus rendimentos melhorados, o estado contratou os demitidos e novos profissionais para atender a demanda crescente na área da educação em todo o estado.

 

Diante das explicações do governador Ivo Cassol, os professores ficaram surpresos, pois afirmaram desconhecer esses dados. O professor Alziro Zarur Machado que está há 25 anos na educação lamentou que o sindicato que deveria defender a classe usa a estrutura do Sintero e seus afiliados para fazer politicagem e disse que estão criando um sindicato estadual para os professores. A mesma indignação teve o professor José do Nazareno, da Escola João Bento, que esta há 33 anos na educação e tantos outros que manifestaram suas opiniões a respeito de um movimento de greve, em que o alvo não são os servidores e sim interesses politiqueiros.

 

REIVINDICAÇÕES ATENDIDAS

 

Diante das argumentações da comissão e em respeito aos professores que estão trabalhando normalmente o governador Ivo Cassol vai manter a gratificação aos professores em sala de aula, retroativo ao mês de março. Para os professores que estão em greve o benefício passa a valer somente a partir de abril. Outra concessão foi a de incluir na gratificação os servidores que trabalham na supervisão e orientação escolar, pois são profissionais que dão suporte ao professor em sala de aula. Na manhã desta terça-feira (23), uma comissão deve se reunir com a secretária Marli Cahulla para definir uma forma legal para atender também esses profissionais com a gratificação, que é uma forma de incentivar o professor a ir para a sala de aula.

 

O deputado e líder do governo na Assembléia Legislativa, Tiziu Jidalias, também presente na reunião, sugeriu a criação de um fundo para os professores em sala de aula, que seria rateado no final de cada ano, uma espécie de 14º salário. As normas ainda serão definidas em conjunto com os próprios servidores.

 

Ao final da reunião o governador brincou com os professores dizendo que eles haviam conseguido uma coisa inédita, que é fazer com ele voltasse atrás em uma decisão e afirmou que fez isso em respeito aos valorosos professores que hoje compõe o quadro da rede estadual de ensino.

 

O governador Ivo Cassol disse aos professores que já está acordado com o vice-governador João Cahulla que assume a administração do estado no início do mês de abril, que toda a economia que tiver com a transposição será revertido em melhorias salariais para os servidores do estado.

 

 

 





Fonte: Decom
Autor: Assessoria

Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.