Visitas 3952283 - Online 210

Sábado, 21 de Julho de 2018

Geral

31/08/2017 08:57:43

Presidente da Funai inaugura CTL em Vilhena, mas só autoridades do MT prestigiam cerimônia

Indígenas de diversas etnias cobraram ações do órgão 

No final da tarde de terça-feira 29, estiveram em Vilhena, para a inauguração das novas instalações da Coordenadoria Técnica Local – CTL, o presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), o general da reserva Franklimberg de Freitas, e o Coordenador Regional, Benedito Cezar Araújo Garcia. Os dois foram recepcionados pelo Coordenador Local, Abrhaão Tejas, e por dezenas de indígenas de diversas etnias, que entregaram ao visitante cartas de reivindicações. 

Antes da inauguração do CTL de Vilhena, Franklimberg de Freitas, que saiu de Cuiabá (MT) pela manhã, já havia inaugurado no mesmo dia outras três unidades: Tangará da Serra, Campo Novo e Sapezal, todas no Mato Grosso. 

Em Vilhena, antes da inauguração, que segundo Tejas deveria ter ocorrido no ano passado, quando o prédio foi concluído, o presidente ouviu as reivindicações dos índios que, em geral, pediram mais servidores para o órgão e condições financeiras que possibilitem às CTLs realizarem de forma satisfatória suas atividades.

E a situação realmente não é das melhores na CTL de Vilhena. De acordo com Abrhaão Tejas, com a reordenação da Funai, que tirou do órgão a responsabilidade pela saúde e educação dos povos indígenas, as ações do da entidade se restringem agora a três pontos: promoção social, etnodesenvolvimento e o monitoramento. 

“Somos quatro servidores para atender toda essa demanda. E no ano que vem seremos apenas dois, por que nossos colegas já estão em processo de aposentadoria. A palavra certa é desmanche, estão promovendo o desmanche da Funai. Nós já paralisamos inclusive atividades de promoção social, deixamos de agendar perícias e salários maternidades junto ao INSS, por falta de recursos. Precisamos de mais recursos e de mais servidores”, disse Tejas. 

Durante a cerimônia, o presidente ouviu dos índios que a inauguração do prédio é importante, mas que é necessário que a Funai faça mais pela população indígena e para isso é preciso que sejam contratados servidores e que lhes sejam dadas condições de trabalho. “A CTL tem um caminhão que seria para transportar a nossa produção para a cidade, para podermos vender, mas toda vez que precisamos não tem combustível”, disseram os líderes indígenas. 

Após receber as cartas de reivindicações e de ouvir os questionamentos dos líderes, o presidente do órgão federal se comprometeu a analisar exigências e afirmou que irá buscar meios de proporcionar melhorias às CTLs. “Eu vim aqui, como fui a outras CTLs, justamente para isso, para conhecer a base, para ouvir de vocês os problemas que enfrentam, para que, munido dessas informações, eu possa, lá em Brasília, lutar por melhorias”, disse Freitas.

O presidente revelou que existem 32 coordenadorias regionais e 250 locais, e que cada uma delas passa pelos mesmos problemas enfrentados pela coordenadoria de Vilhena: falta de recursos e pessoal. “Há duas décadas a Funai tinha 4.500 servidores, hoje somos 2.142; temos 220 aprovados em concurso, mas ainda não conseguimos autorização do Ministério do Planejamento para contratá-los”, revelou Freitas. 

Após as conversas e antes da inauguração de fato, o presidente assistiu, e participou de uma dança indígena e recebeu presentes. Após o corte da faixa e abertura solene do novo prédio, Freitas continuou ouvindo reivindicações.

Participaram também da cerimônia os coordenadores das CTLs de Juína (MT) Antônio Carlos, e de Cacoal, Ricardo Prado. Também esteve presente a cerimônia o prefeito da cidade de Comodoro (MT) Jeferson Gomes (DEM). Nenhuma autoridade de Vilhena ou do Cone Sul esteve no evento.





Fonte: Folha do Sul
Autor: Rogério Perucci

Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.