Visitas 37884720 - Online 249

Terça-feira, 14 de Julho de 2020

28/06/2020 11:34:00

MEDICMAIS SAÚDE: Já bebeu água hoje? Falta de líquido pode causar cálculo renal

 
Entenda o que é e quais os principais sintomas de pedras nos rins
 
A nova rotina imposta pela quarentena pode deixar as pessoas mais esquecidas. Quem ainda não parou para pensar se bebeu ou não água em quantidade suficiente durante o dia?

É que o uso da máscara facial por um longo tempo diariamente tem feito as pessoas se esquecerem de se hidratar. Um problema grave pode surgir da falta de ingestão de água: a formação de cálculo renal.

As chamadas pedras nos rins representam uma das mais dolorosas doenças urológicas e mais antigas da sociedade. Cientistas encontraram evidências em uma múmia egípcia de mais de 7 mil anos.

Neste contexto, o urologista Dr. Antônio Xisto, que atende na MedicMais Vilhena, explica algumas particularidades desse problema.

As pedras são formadas por cristais presentes na urina que se agregam e formam o cálculo. A maioria (80%) tem um componente de cálcio. Também existem os cálculos sem o componente cálcico, como os de ácido úrico. É uma doença que acomete cerca de 12% dos homens e 6% das mulheres.

Sintomas - A clássica apresentação é uma dor de início súbito, intensidade severa, tipo cólica (em ondas), localizada na região lombar, que se irradia para o abdome anterior, usualmente em um dos lados.

Sintomas miccionais, como a sensação de que a bexiga não esvazia, podem estar associados. Não existe uma posição de conforto para o paciente, que usualmente apresenta-se inquieto, tentando encontrar uma maneira de aliviar a dor. Podem ocorrer náuseas e vômitos.

Cálculos localizados nos rins usualmente geram sintomas menos intensos, mas muitas vezes necessitam de tratamento.A cólica renal ocorre se houver a obstrução do ureter (canal que drena a urina do rim para a bexiga) por um cálculo.

Tratamento – O tratamento, segunda explica o especialista, vai depender da conclusão tomada na avaliação médica, mediante exames. Em muitos casos a medicação basta para controlar a dor e o paciente eliminar o cálculo. Acredita-se que cálculos pequenos, de no máximo 5mm ou 7 mm, passam pela via urinária sem maiores problemas.

Em muitos casos, há a indicação de remoção dos cálculos através de cirurgia. Há opção do procedimento endoscópico, minimamente invasivo, que permite um retorno do paciente à sua rotina mais rapidamente. Mas, em todos os casos é fundamental o acompanhamento do urologista.
“Tomar muita água durante o dia é a melhor forma de prevenir a formação dos cálculos renais”, finaliza o médico.
 
Antônio Xisto é médico há 35 anos, urologista que atende no Conesul de Rondônia e Noroeste do Mato Grosso. Em Vilhena, atende na MedicMais.
 
 




Fonte: Foto: Divulgação
Autor: Assessoria

Newsletter

Digite seu nome e e-mail para receber muitas novidades.

SMS da Folha

Cadastre seu celular e receba SMS com as principais notícias da folha.